Literatura, opiniões, memórias, autobiografias, e demais diletantices.
Sexta-feira, 3 de Maio de 2013
A Quadrilha do Pires da Rua,Um Rosário de Mortes...

 

1

 

 

 

 Em 1839, por uma manhã tiritante de Fevereiro, destas manhãs estanhadas pelo regelo e o caramelo, com o sol metido lá para a casa de Pilatos, na aldeia de Carapito, ouviram-se a súbitas cinco tiros, ao descoser do caminho para Nacomba. Três homens, de clavina em punho, saltavam os muros das hortas, um olhar torvo e suspicaz à retaguarda, e metiam para os bosques que vestem o sopé dos montes de Caria. No meio da azinhaga jazia prostrado por uma carga maciça de zagalotes um marchante muito conhecido na região, rapaz de vida inquieta e barganteira, nem mais, nem menos este Leandro da Rua. Para maior escarmento e sinal de que o assassino fora obra de alardeada revindicta, os matadores, antes de desparecer, deram-se ao requinte de lhe cortar as orelhas.

 

    A mãe do morto, quando lhe vieram com a notícia, saiu de casa, e desgrenhada, descalça, mãos erguidas ao céu rompeu em altos brados a clamar à d’el-rei contra o Pires – não podia ser outro – que lhe matara cobardemente o filho de sua alma. Ao clamor acudiram os vizinhos e familiares, ali se erguendo grande babaréu que de babaréu não passou, não havendo mais que vozes ao vento.

 

   Entretanto o Manuel Pires, que tinha um talho em Vide, face à Capelinha de Nossa Senhora dos Passos, arvorava, espetadas nos ganchos da loja, ao pé duma cabeça de vitela, as orelhas do Leandro. A quem vinha não se acanhava de dizer:

 

   - Orelheira de porco, não vai? – e acrescentando a bufar: - Hoje pateou este; atrás deste hão-de ir o pai, a mãe, os irmãos todos. Não há-de ficar um para raça.

 

   Assim, em público e raso, gloriosamente, se denunciava o matador. Mas quem se atrevia a erguer mão para a gola da jaqueta do maior bandoleiro que pisava o vale do Távora e terras da Nave, capitão de quadrilha, com muitas mortes às costas, umas de filiação miguelista, outras de celeradez pura e rapinagem?

 

   Naquele ódio à família de Leandro, havia um negócio túrbido de fêmea, uma pécora que se passara do Pires, que era canhestro e reles figura, para aquele, bonito moço e arruador.   

 

 

 

 

 

 




publicado por Dito assim às 18:52
link do post | comentar | favorito

Junho 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


posts recentes

O REAL QUOTIDIANO

Vendidos, sempre houve

Mais uma crónica de Antón...

ENSINAR, COMOVER E DELEIT...

A Rendição de Breda de Ve...

Alguns quadros de cinismo...

"Somos todos felizes outr...

OS NEGÓCIOS E A SUBSERVIÊ...

Em Guimarães no Toural em...

O 25 DE ABRIL DE 2016

arquivos

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Fevereiro 2016

Agosto 2015

Julho 2015

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Março 2014

Outubro 2013

Junho 2013

Maio 2013

Contador
blogs SAPO
Este Blogue é completamente ... ...Alérgico ao Acordo Ortográfico