Literatura, opiniões, memórias, autobiografias, e demais diletantices.
Domingo, 24 de Abril de 2016
Mais uma crónica do reacionário minhoto.

A imodéstia familiar no Alto Minho (I)

 alfa.jpg

O Dr. Paulo convenceu-se de que a loucura não é uma invenção recente.  No tempo em que não eram tão visíveis os ódios em que a Europa havia de ficar emparedada, o Tio Alberto fez várias viagens a Constantinopla, tendo sobrevivido razoavelmente a todas elas. A Tia Benedita, matriarca dos Homem, nunca acreditou que a cidade tivesse mudado o seu nome para Istambul.

 

Naquela altura, o Tio Alberto tinha já há muito ultrapassado a barreira do "solteirão amável" (os trinta anos), e inclinava-se vertiginosamente para a fronteira do "solteirão incorrigível" (os cinquenta). A Tia Benedita (protegida do bolchevismo, da imoralidade e da República no velho casarão de Ponte de Lima) reconhecia que havia naquele homem maduro todos os sinais de um valdevinos que seguira até tarde o guião dos solteirões de família – um por geração –, prolongando a sua boa saúde até mais tarde do que o costume, mas evitando empregá-la naquilo que seria normal: um casamento, uma família, uma vida virtuosa.

 

A ideia de que o Tio Alberto não tinha uma "vida virtuosa" não se baseava em factos, mas numa conclusão tirada de evidências: aos cinquenta, um homem com boa situação profissional (o Tio Alberto dedicava-lhe nove meses do ano) e duas cópias de Watteau nas paredes da sala de estar da sua casa de São Pedro de Arcos, não devia "andar por aí", sujeito às intempéries da tentação. A posse de um Super Sport Villa d’Este 2500, o Alfa Romeo da época, também não ajudava a compor o retrato.

 

O relato das aventuras do Tio Alberto é um bálsamo para os serões de Moledo, quando as visitas querem saber se houve alguém minimamente vivo na família. O Dr. Paulo, agora que desistiu da leitura dos clássicos russos e que morigerou as visitas à sua gastrenterologista, defende – com a energia dos incautos – que devíamos, num destes fins-de-semana, desenhar uma genealogia da família. A tarefa é impossível, porque um nome, isoladamente, é apenas um nome – e na família os nomes foram e voltaram, e tornaram a ir até um dia regressarem.

 

Nesses tempos em que a virtude e a modéstia familiares eram obrigações públicas, o Tio Alberto descia para a Praça de Caminha ao volante do seu carro, e eu e os meus irmãos disputávamos velozes regatas pelo Minho abaixo, sob o olhar suspeito da Guarda Fiscal, a quem o velho Doutor Homem, meu pai, assegurava que não éramos contrabandistas de Cerveira. Enfim, o Dr. Paulo convenceu-se de que a loucura não é uma invenção recente.

 

 



publicado por Dito assim às 19:46
link do post | comentar | favorito

Junho 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


posts recentes

O REAL QUOTIDIANO

Vendidos, sempre houve

Mais uma crónica de Antón...

ENSINAR, COMOVER E DELEIT...

A Rendição de Breda de Ve...

Alguns quadros de cinismo...

"Somos todos felizes outr...

OS NEGÓCIOS E A SUBSERVIÊ...

Em Guimarães no Toural em...

O 25 DE ABRIL DE 2016

arquivos

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Fevereiro 2016

Agosto 2015

Julho 2015

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Março 2014

Outubro 2013

Junho 2013

Maio 2013

Contador
blogs SAPO
Este Blogue é completamente ... ...Alérgico ao Acordo Ortográfico