Literatura, opiniões, memórias, autobiografias, e demais diletantices.
Domingo, 3 de Agosto de 2014
UM TOQUE DE MELANCOLIA?

A seriedade da vida

 

Em Komorn, [Hungria]  um  outro letreiro bilingue informa que em certa casa nasceu Franz Lehár, mestre de um ilusionismo elevado ao quadrado e de uma música de consumo na qual a nostalgia das valsas de Strauss se corrompe, apesar da mestria aprazível, em vulgaridade desenvolta. O ilusionismo da opereta, que resume a vida no mote “criado, champagne!”, não oculta porém que tudo se trata de uma ficção brilhante, de uma máscara e de uma simulação de brio. A sua indústria do cinismo galante e sentimental é uma figura de papelão que, sem se dar ares de importância, distrai da seriedade da vida.

(De Danúbio, livro de Claude Magris, um grande escritor italiano).

 

Neste texto poderíamos substituir Lehár e Strauss e a música por autores de livros ou de músicas. Esta definiçao sobre o consumo, a mestria, a vulgaridade, a ficção brilhante, a figura de papelão, como se poderiam aplicar a  epífenómenos  ou a manifestações inorgânicas de hoje!

Ah, grande Claudio Magris!



publicado por Dito assim às 20:26
link do post | comentar | favorito

Junho 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


posts recentes

O REAL QUOTIDIANO

Vendidos, sempre houve

Mais uma crónica de Antón...

ENSINAR, COMOVER E DELEIT...

A Rendição de Breda de Ve...

Alguns quadros de cinismo...

"Somos todos felizes outr...

OS NEGÓCIOS E A SUBSERVIÊ...

Em Guimarães no Toural em...

O 25 DE ABRIL DE 2016

arquivos

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Fevereiro 2016

Agosto 2015

Julho 2015

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Março 2014

Outubro 2013

Junho 2013

Maio 2013

Contador
blogs SAPO
Este Blogue é completamente ... ...Alérgico ao Acordo Ortográfico